MEDIDAS PARA A PREVENÇÃO DE INCÊNDIOS EM HOSPITAIS

Os estabelecimentos de saúde apresentam uma série de desafios específicos do ponto de vista da proteção contra incêndios.

Daí, a frase “incêndios começam a ser prevenidos no projeto” faz todo o sentido.

Para alcançar o objetivo de proteger a vida dos seus ocupantes, e a preservação do próprio edifício, vários fatores devem ser considerados.

Listamos alguns:

 

COMPARTIMENTAÇÃO

A divisão de um edifício em setores de incêndio.

Cada área limitada por paredes, forros e pisos devem ser capazes de resistir às chamas que comecem dentro do compartimento.

Somado a isso, é importante que a divisão previna a entrada do fogo originário outros compartimentos.

 

AFASTAMENTO

As edificações verticais devem ser separadas umas das outras.

Isto previne a propagação de edifício para edifício.

Quando as distâncias mínimas de separação não puderem ser atendidas deverão ser tomadas medidas alternativas de proteção.

 

 

ESCAPE

É o ato de saída das pessoas de um prédio, através dos meios existentes nele mesmo.

As escadas, rampas, elevadores, passarelas e outras passagens previstas em norma são os meios de escape mais comuns.

 

CONTROLE DE FUMAÇA

 

O deslocamento da fumaça produzida por um incêndio deve ser controlado.

A ventilação natural, a extração mecânica e a pressurização de dutos são os instrumentos desse controle.

Porém, todas estas medidas têm baixa confiabilidade.

 

ACESSIBILIDADE

 

Todo edifício deve ter acesso adequado para o Corpo de Bombeiros em relação a uma via pública, via particular, passagem ou outra via de acesso.

A ausência de obstáculos e a largura necessária para manobras de veículos de socorro são requisitos essenciais ao projeto dessas vias.

Já, as vias internas devem suportar a carga dos veículos pesados dos Corpos de Bombeiros como as escadas mecânicas e os carros tanque.

Leia Também:   MITOS SOBRE CONSTRUÇÃO QUE VOCÊ PRECISA CONHECER

 

SINALIZAÇÃO

 

A sinalização de segurança tem caráter de emergência, advertência, mandatário, de proibição e indicação de uso.

Devem levar às rotas de escape, mostrar os riscos potenciais, requerer ações ou atividades que contribuam para segurança, evitar ações perigosas e indicar a localização e uso de equipamentos de alarme, comunicação e combate ao fogo.

A diminuição da visibilidade pela fumaça é um risco que deve ser considerado. Principalmente, porque a probabilidade de ocorrência de incêndios é maior à noite.

 

Estas ações não encerram o as alternativas, mas apresentam uma fração do que deve ser considerado durante o estudo de viabilidade, projeto e construção de um estabelecimento de saúde.

 

Um abraço!

Equipe RCE Construtora

 

Referência

CONDIÇÕES DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO – PORTAL ANVISA

Compartilhe nossos Artigos!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *